quinta-feira, 25 de fevereiro de 2010

Tudo novo de novo =D

Como havia prometido na postagem "Trancada", troquei a fechadura e já estou com chaves novas. Fevereiro foi sim um mês de mudança. Me sinto um pouco diferente do que eu era há um ano atrás. Aprendi que não cabe a nós julgar o comportamento alheio, pois também estamos sempre errando... Nada na vida acontece por acaso. Sempre aprendemos alguma coisa em cada situação que nos é proposta. Basta que sejamos maduros o bastante para podermos desfrutar das coisas positivas que nos são apresentadas, pois não importa qual seja a gravidade do problema, sempre existem dois lados. Costumo dizer que eu "me jogo" em tudo que faço. Acredito muito fácil nas pessoas e por isso me decepciono com mais frequência. Cai como uma tromba d'água e aí é que vem a minha necessidade de me trancar. Quando menos espero, estou me perguntando quem são de fato os meus amigos. E de repende, aparecem aquelas pessoas, até então desconhecidas, que me fazem um bem imenso com suas simples palavras, gestos, atitudes... A vida é um ciclo - erramos e acertamos com nossos erros. A maturidade vem com a intensidade de nossas experiências. E se hoje eu não guardo mágoas de ninguém é porque eu realmente aprendi o que vem a ser perdoar. E não há nada que me faça sentir melhor do que olhar para aquela pessoa que me deseja o mal com vontade de ajudá-la. Agora não estou mais trancada no quarto. Por enquando não necessito disso. Aguardo por experiências novas para adquirir mais aprendizado. Pode parecer santo demais tudo isso que eu digo, mas é real. Me sinto outra pessoa: mais alegre, livre e sem aquela preocupação de julgar os demais. Sei que ainda vou me trancar muitas vezes e ter que mudar constantemente a fechadura. Eu quero isso. Eu preciso disso, para que todas as vezes que eu adquirir chaves novas, eu possa renovar também o meu coração, a minha maneira de pensar, a minha vida... E me sentir bem comigo mesma, como me sinto agora.

terça-feira, 2 de fevereiro de 2010

Trancada

É bem difícil se decepcionar com aquela pessoa que você nunca esperava. É triste saber a verdade, conhecer a realidade. Dói olhar para trás e ver o tempo perdido, as horas que se passaram, os momentos não aproveitados. E as músicas não falam mais. As fotos nada representam. Minha imagem já não reflete tão nitidamente no espelho. Mais uma vez é hora de trancar a porta. E agora é pra valer. Trancar e jogar aquela penca de chaves no lixo, e não guardá-la no bolso esperando uma nova oportunidade de abrir como outrora. Com janelas e portas trancadas restam ainda os sonhos, a esperança, e a força de vontade em não perder a confiança nos demais. Afinal, nem todos são covardes. Nem todos brincam de amigos. Nessas horas notamos com mais clareza quem os são. Eu tranquei a porta para refletir no escuro. Daqui um tempo estarei em liberdade novamente, como sempre gostei. Com fechaduras e chaves novas.